Sinuca de bico

 

Sinuca de bico O Brasil está numa sinuca de bico. Mais uma, aliás. Nossa história é construída com altos e baixos e estamos num “baixo” há, pelo menos, três anos. A crise política se agrava com as revelações da delação do grupo JBS, ontem, de que Temer, em pleno exercício do mandato presidencial, tentou obstruir a Justiça. E agora?

Se este fosse um país com políticos sérios, Temer teria renunciado durante a madrugada. Ao abrir os jornais, vemos que não, que ele apenas nega tudo, apesar de ter sido gravado. Parece que um pedido para o impeachment já foi protocolado na Câmara dos Deputados. Aventa-se até o adiantamento do julgamento da chapa Dilma-Temer no TSE. Outra possibilidade é a PGR processar o presidente e o STF julgá-lo. E, de preferência, condená-lo pelo grave crime que cometeu em pleno mandato e em função dele.

Pela Constituição, o Presidente da Câmara, Rodrigo Maia, assume interinamente e, em 30 dias, o Parlamento deve eleger novo presidente e vice. Mas este parlamento? Essa gente encrencada até o último fio de cabelo com corrupção? Sim, é o que determina a Carta Magna, no art. 81, § 1º:

“Ocorrendo a vacância nos últimos dois anos do período presidencial, a eleição para ambos os cargos (presidente e vice) será feita trinta dias depois da última vaga, pelo Congresso Nacional, na forma da lei”.

Ocorre que a dita Lei, segundo informa o jornalista Josias de Souza, não existe, o que implicaria na votação da regulamentação deste dispositivo constitucional rapidamente. Por outro lado — pouco se fala sobre isso —, o Senador Antônio Reguffe (sem partido, DF), propôs a PEC 67/2016, que altera esse parágrafo e estabelece eleições diretas. Por que o parlamento não vota essa PEC? Por que o povo tem que ser tutelado pelo Congresso Nacional, em vez de votar ele mesmo em seus comandantes, a exemplo do que ocorreu na Coreia do Sul? Vamos nos lembrar de que a presidente sul-coreana foi impedida em março. Dois meses depois, o país tem novo presidente.

Enquanto os poderosos da nação se digladiam pelo poder — a madrugada deve ter sido longa —, ficamos nós assistindo à cena política, ainda perplexos com a capacidade que boa parte de nossos políticos têm de desprezar o Lei. O PT, definitivamente, não é a única organização criminosa travestida de partido político. O futuro próximo dá até medo.

Para ler mais de Vânia Gomes, clique aqui.

Para comprar o livro mais recente de Vânia Gomes, clique aqui.

 

http://josiasdesouza.blogosfera.uol.com.br/

http://politica.estadao.com.br/noticias/geral,e-ainda-pode-piorar-muito,70001791249

http://politica.estadao.com.br/noticias/geral,nem-a-imunidade-temporaria-salva,70001791239

Para conhecer a PEC do Senador Reguffe, clique aqui.

Foto: Segredos do mundo

Você pode gostar...

Deixe você também o seu comentário