Sessenta

Conheço uma pessoa que deu uma baita festa quando fez sessenta anos.  Burrice.  Ninguém precisa saber que você já tem sessenta anos.

Se você concordou com o parágrafo acima, deve ser jovem.  Porque se tiver mais de cinquenta concorda é com a festa.

Sessenta é uma espécie de limbo das idades: você deixou de ser jovem faz um bom tempo, mas ainda não conquistou o direito àquela admiração e respeito dos realmente muito velhos.  Apesar disso, não conheço ninguém com pressa de atingir esse grau de dignidade.  Na prática, o indivíduo ainda torce para que a fase dos sessenta dure bastante.  É triste.

Os sexagenários, antes da invenção da tinta para cabelo e do botox, eram bem diferentes.  Há dois séculos, com quarenta, você já era.  Mas daqui a duzentos anos dá até para imaginar o diálogo:

— Você se divorciou?

— Claro, afinal já estou com cento e três e quero aproveitar a vida.

Em raras, raríssimas, ocasiões você precisa aumentar a idade.  Tipo nos bailes da terceira idade.

Você já tem sessenta?

Setenta.

— Puxa, está ótima, nem parece!

Não parece mesmo, seu cretino, só tenho cinquenta e nove.  Você é que deve ter uns oitenta e não enxerga mais nada, ou tem Alzheimer, ou é mal educado mesmo.  Deixa pra lá: afinal este é o único lugar divertido onde ainda me consideram jovem.

De maneira geral, temos mesmo é que nos curvar à ditadura da juventude.  Por exemplo: quem escreve um blog tem que diminuir a idade, senão vira tio.  Existe coisa mais horrorosa do que esse negócio de tio?  Se você tiver mais de vinte e um anos, minta descaradamente.  Ninguém com mais de vinte e um serve para ser blogueiro, exceto se for jornalista profissional ou figura pública.  Qualquer dia rola uma conversa mais ou menos assim:

— E aí, cara, tudo em cima?

— Sinistro.

 Tá ligado na balada?

 Meu filho de doze anos já me contou.

 Filho?!  Qual a sua idade?

— Trinta e quatro.

— Ih, sujou. Desculpa, tio, dá pra passar pro seu filho?

Aos sessenta, o perigo de encalhe é avassalador.  Você pode até ser jovem de espírito, mas ajuda pouco.  O que pode ajudar é ter muita, muita grana.  Lamentavelmente, até nesse caso os sessenta são traidores.  Há homens que não perdem a esperança de que uma jovem (de idade, não de espírito) vá amá-los pelos seus belos olhos e qualidades. Você é homem e está rindo?  Claro, é inteligente, domina a situação e só vai se aproveitar um pouquinho das eventuais candidatas.  Se você tem tanta certeza disso, que tal apostarmos um almoço?  Não me importo de perder: estou mesmo precisando conhecer um sessentão enxuto e decidido, ainda que ingênuo…

 

 

Um comentário em “Sessenta

  • 05/12/2011 em 15:44
    Permalink

    No meu caso não foi burrice, foi “AFAFO”.

    Resposta

Deixe você também o seu comentário