Ridículo

Sempre me pergunto o que faz o gênero humano se colocar em certas situações de total ridículo.

Gosto de assistir aos programas de moda, especialmente aqueles que ensinam às pessoas que tipo de roupa é mais adequado ao seu tipo físico, pois tendo trabalhado no segmento por muitos anos pude constatar a diferença que as escolhas corretas fazem no visual das pessoas e, de lambuja, no psicológico também, pois quem não gosta de se ver bem e ser elogiado por seus pares?

Meu livro Nuvem de Pó trata de maneira mística esse mesmo assunto, afinal quem não ergue mais o queixo sabendo que está bem? Tá certo que existem pessoas que não têm noção das coisas, sem levar em conta fatores como altura, peso e local onde a roupa será usada e, principalmente, idade, mas voltando aos programas constato que há alguns que ridicularizam o convidado mostrando filmes que foram feitos sem seu consentimento e jogando suas roupas no lixo, muitas delas de valor afetivo.

Acho que nunca encontrarei respostas para as coisas estranhas que nós homens e mulheres fazemos, muitas vezes extremamente perigosas, inclusive colocando em risco nossa integridade física, nossa própria vida e às vezes também colocando nossa integridade psicológica à beira do desastre.

As pessoas podem ser sempre surpreendentes. Pois bem, vou contar sobre um filme que recebi por email e que não dizia do que se tratava, veio de uma amiga que sempre me envia coisas interessantes. Portanto, abri. Em princípio, parecia um daqueles concursos americanos de calouros, aliás, há alguns maravilhosos onde são revelados cantores talentosos, mas esse que recebi me deixou estarrecida pela falta de vergonha com que algumas pessoas expõem seus mais profundos segredos, de repente, diante de uma câmera.

O concurso era para escolher o homem de menor pênis. Havia uma fila de jovens, na maioria até a faixa de uns quarenta anos, todos nus; um a um, tomavam a frente para serem ridicularizados pelo júri, composto de dois homens e uma mulher.

Os jurados sempre faziam algum comentário sarcástico sobre a aparência do pequeno apêndice de cada um, e os concorrentes contestavam, contando cada um a sua história. Alguns já tinham nascido assim, outros haviam sofrido acidentes perdendo parte do membro.

Todas as histórias eram ouvidas com palavras de escárnio pelos jurados. Eu, do lado de cá da tela, fiquei morrendo de pena daquelas pessoas, e me indagava: por quê?? O que obrigou essas pessoas a irem a esse lugar para serem submetidas a tal vexame?

Os americanos são uma incógnita para mim, na maioria das vezes criando maravilhas, mas em outras, bem mais raras, inventando absurdos e bobagens do tipo campeonato de cuspe à distancia, salto de sapo e por aí vai.

Anyway, I love them.

  Postado tambem no meu blog

 

Noga Sklar

Editor, KBR Editora digital

7 comentários em “Ridículo

  • 17/06/2012 em 12:27
    Permalink

    Para exposições ridiculas como essa: “sem comentarios”. O que me fez falta mesmo foi a cronica da semana passada. e vamos ser felizes com o que temos ao nosso alcance o que não é pouco, bjs

    Resposta
  • 16/06/2012 em 17:22
    Permalink

    Eu não amo não…..são patéticos!!!
    Bjs querida!

    Resposta
  • Pingback: Hepper Bloomsday « Noga Sklar

  • 16/06/2012 em 13:08
    Permalink

    A busca da celebridade (celebridade é poder) a qq custo.
    Ou, para os mais práticos, o dinheiro do prêmio…

    Resposta
  • Pingback: Priscila Ferraz

  • 16/06/2012 em 07:32
    Permalink

    É um concurso bem estranho.
    Para riducularizar pessoas.
    Há alguns séculos, não me lembro o ano, existiu na França, o Tribunal da Importência. Existe um livro sobre isto. Na época não havia filmes!!!!! No caso era usado para que as mulheres conseguissem a separação!

    beijo grande

    Resposta
  • 15/06/2012 em 21:46
    Permalink

    Vídeo BIZARRO!
    RS RS RS
    Existem mais tolos do que espertos no mundo, caso contrário os espertos não teriam o suficiente para viver.
    Samuel Butler

    Resposta

Deixe você também o seu comentário