O último romântico

priscila1marEm tempos de alta tecnologia, é de se pensar que gestos de delicadeza e romantismo se escoaram pelas lixeiras do computador. Evidentemente, nas grandes cidades, nos congestionamentos, na pressa, muitos dos gestos de antigamente se perderam, mas aqueles que ainda cultivam hábitos de romantismo com certeza sabem apreciar muito mais a vida.

Não é necessária uma viagem a uma ilha na Espanha, com jantares de frutos do mar regados a vinho nacional — de lá — para compor a moldura de um quadro de amor, embora a ideia não seja de se jogar fora. Basta um olhar especial para a lua cheia, o abrir da porta do carro, um olho no olho durante um brinde especial, um passeio de mãos dadas no parque de manhãzinha, sentindo na pele o frescor do orvalho recém pousado — isso acaricia a alma e nos deixa mais propensos ao amor.

Tudo isso pra contar uma história romântica: o moço bonito se apaixonou pela mocinha e queria se casar com ela, mas queria que o pedido se desse em uma ocasião especial. Para tanto, em uma viagem de trabalho, aproveitou a ocasião e comprou uma aliança pra namorada, cada pequeno detalhe — como o diâmetro do dedo, aonde ir, que lojas de joias procurar — compondo a importância do momento esperado.

Seria na praia, mas o fim de semana previa chuva. A saída na sexta veio com trânsito e chuva torrencial, com direito a enxurrada e tudo. Ia ser um mico. No sábado choveu o dia inteiro, o moço se preocupando com o cenário. O almoço foi debaixo de chuva, e à tarde ainda garoava, quando, pelas 5 horas, o céu se abriu deixando vir a luz.

É agora — pensou o moço bonito, e convidou a mocinha para ir à praia. Todos os detalhes eu não sei, pois quem me contou a história foi um homem e vocês sabem como não são nada pródigos em minúcias: dizer as coisas que dão o tempero essencial e tornam os casos deliciosos, nem pensar; um relato sumário e olhe lá.

Pois bem, todos aprenderam nas aulas de geografia que o sol nasce no leste e se põe no oeste, e que as praias do Brasil estão a oeste. Mas não pra quem ama: pra quem é realmente romântico, esses milagres de amor acontecem. E não é que o sol resolveu se deitar bem no meio do mar, fazendo um crepúsculo espetacular? Pronto! Lá estava o cenário ideal.

Ele pediu e ela aceitou, e mais eu não sei. Mas vou perguntar os detalhes à mocinha que, com certeza, vai rechear tudo com seu lindo riso e me contar como foi tintim por tintim. A única coisa que já consegui foi a foto do momento, que divido com vocês.

  postado também aqui

 

Você pode gostar...

4 Resultados

  1. Roberto Gasparini disse:

    Obrigado!

  2. Roberto Gasparini disse:

    KBR, e especialmente amiga Priscila, me fazem voltar ao passado, por um hábito antigo: LER e por atitudes que faziam parte dos meus procedimentos: ROMÂNTICO! Esta última crônica despertou-me! Novamente, obrigado!

  1. 01/03/2013

    […]  postado também aqui […]

Deixe você também o seu comentário