O que abunda não prejudica

São coisas que se atraem: música sertaneja e chifre, seios e olhos, mãos e nádegas, otário e agiota.

No fundo, o homem, a mulher e o cachorro são semelhantes: “o cachorro”, como dizia um ex-ministro, porque “também é gente”, além de ser o melhor amigo do homem; a mulher, porque nos deve uma costela e um dia vai ter que pagar; e o homem, ora, o homem é o rei dos animais, e ponto final. Se o macho homem pudesse fazer tudo o que lhe desse na telha, como um cachorro vira-latas, estaríamos de volta aos tempos pré-históricos, quando o mundo vivia uma guerra sem fim, as mulheres eram disputadas no tacape por trogloditas e arrastadas pelos cabelos como cadelas.

Mundo, mundo, devasso mundo. Eram vinte horas e trinta e cinco minutos de uma noite de sexta-feira. Eu havia acabado de estacionar meu possante e caminhava em direção ao restaurante Paca D’Oro, quando saltou diante de minhas retinas, tão fadigadas, uma bunda maravilhosa. Morena, vinte e poucos anos, não tive tempo de olhar para o rosto da gata, mas tenho certeza de que a bunda pertencia a um corpo lindo, que não se chamava Raimunda. Ela se abaixara pra pegar um ramalhete, usava uma calça de cintura baixa, e depois saiu andando à minha frente, rebolando as cadeiras.

Quem vê bunda não vê cara, coração. As modelos que me perdoem, mas a mulher ocidental lutou na revolução feminista, queimou sutiãs, conquistou o direito ao aborto nos países desenvolvidos e tudo mais, para se vender de corpo e alma à Indústria Masculina da Moda. Todas querem namorar o Leonardo DiCaprio, emagrecer vinte quilos, ter silhueta de modelo pra virar cabides de roupas, e transformar-se em centopeia pra poder usar centenas de sapatos (de grife) ao mesmo tempo.

Meu mundo por um pezinho. Na China Imperial, a mulher que pretendesse concorrer a uma vaga de concubina na cama do Rei teria que ter pés pequenos. Fetiche, algo a ver com a cultura? Não se sabe. O fato é que as chinesas, para ter alguma chance de “dar para o Imperador”, torturavam os pés, enfaixando-os com panos apertados, até que os pezinhos ficassem parecidos com a flor de lótus: o calcanhar pra dentro e o peito do pé voltado pra cima. Ainda hoje, no interior da China existem mulheres, velhas, que se locomovem apenas de cadeiras de rodas, em decorrência do atrofiamento dos pés.

Na Tailândia, a mulher da hora é a pescoçuda. Quanto mais argolas ela conseguir colocar no pescoço, de forma que o pescoço fique comprido, semelhante ao de uma girafa, mais a fêmea será desejada. Nunca vi relatos de alguém que tivesse transado com uma girafa, deve ser difícil pacas, mas no sertão de Alagoas conta-se o caso de um homem que se apaixonou por uma vaca, casou, teve três filhos saudáveis — um formou-se em medicina, outro virou político de renome e o terceiro morreu de acidente automobilístico quando voltava de um rodeio em Barretos.

***

Ao longo da história, a indústria da moda vem moldando o corpo feminino dos pés à cabeça. Até a primeira metade do século XX a mulher-objeto-do-desejo-masculino era a gordinha, de preferência vestida com espartilho, acessório que valorizava as tetas, mesmo nas pequeninas — os biquinhos dos seios apontando pra cima.

No Brasil, a sensação da moda é mostrar a borda da calcinha. Para deleite dos homens, o cofrinho feminino desbancou o umbigo, o bumbum e os seios.

Todavia, para que a mulher possa administrar um belo cofrinho, é imprescindível vestir-se com calça de cintura baixa. Ainda é cedo pra saber se é o pouco pano das calças que vem rebaixando as bundas, ou se são as bundas chapadas das modelos-tábuas que vêm influenciando na confecção de calças de cintura baixa. Uma coisa puxa a outra, e o corpo feminino, para atender à Indústria, vai se adaptando aos desmandos da moda. O mundo fashion é cheio de pesquisas, e de muita tecnologia: para ajustar o corpo a uma calça de cintura baixa, a consumidora vê-se obrigada a reduzir a distância entre a pélvis e o umbigo, além de ver-se obrigada a manter uma barriga tanquinho e arrebitar a bundinha. Mas isso só se conquista com exercícios específicos, muita malhação, de forma a distribuir os músculos da região glútea em um ângulo de 65% graus de latitude, medida no ponto máximo de tensão entre o bumbum e o ossinho do cóccix. E tome dieta, lipoaspiração e cirurgia plástica.

Em tempos de poupança farta, coitada da mulher que tiver tendência de ficar com bunda de tanajura. Com os juros em queda, será quase impossível encontrar uma calça que acoberte integralmente a retaguarda, daí o passivo a descoberto. Nesse caso, quando a aplicação supera a vestimenta, o difícil não será deixar de mostrar o cofrinho, e sim explodir o Banco Central — com o superávit nas transações primárias insuficiente para cobrir o rombo nas contas públicas.

Com o tempo, a ditadura da moda acabará reduzindo o tamanho das bundas brasileiras a medidas europeias, assim como o Governo Federal planeja reduzir a dívida da população e ampliar o crédito, forçando a banca privada a baixar o spread. Oxalá a viúva federal consiga tomar dinheiro emprestado da Banca Privada pagando míseros 1% de juros anuais; quando esse dia chegar, quero ver como os parasitas do Erário vão fazer pra lucrar os tubos, como se deu nos idos de 2010, quando os bancos brasileiros foram os mais lucrativos do mundo — ficando na frente do Morgan Stanley.

***

De volta ao cofrinho. O derrière da mulher brasileira, curvilínea por natureza, trava uma briga sem trégua com as calças de cintura baixa. A equação da poupança não fecha: muita poupança aliada à baixa cobertura do tecido é igual a menos calça e mais bunda por centímetro quadrado. Ou seja, o limite da queda dos juros depende da regras da poupança. Se mantida a sistemática atual, a caderneta de poupança continuará atraente, e mais lenta e complicada será a queda da taxa SELIC. O incômodo é ter que ficar ajeitando o jeans ao traseiro, exceto para as popozudas, que não se importam de exibir a calcinha para alegria dos marmanjos.

Esse não era o caso da gostosa que eu vira antes de entrar no restaurante. Tudo estava em seu lugar. A bunda se ajustava à calça de cintura baixa como se estivesse sem calça! O homem das cavernas gritava dentro de mim. Resisti. O conteúdo formava uma harmonia perfeita, conformando o bumbum à calça com muito esmero e aprumo.

Não era uma dessas bundas esquálidas, tipo Gisele, muito menos exagerada, ainda que a dona estivesse trajando uma calça de cintura baixa. Era um traseiro perfeito, encaixado na calça como se fosse uma luva de bunda. Nada entendo de moda, mas o tecido da calça devia ser de lycra, pois o jeans acompanhava o bamboleio firme do traseiro como se a gata estivesse desfilando nua na Avenida.

Infelizmente, não era carnaval, e meu celular tocou. Eram os amigos, exigindo minha presença no restaurante.  O Cruzeiro havia batido o Galo por três a zero, ocasião digna de comemoração. Gozar a cara de atleticano é meu esporte predileto.

Vai aqui um alerta para os ditadores da moda: a bunda, com tudo o que temos direito, é uma instituição nacional, assim como os juros estratosféricos e as tarifas absurdas cobradas pelos bancos brasileiros. Pra se ter ideia do absurdo, no ano de 2011 os brasileiros pagaram R$ 236 bilhões de juros pra rolar parte dos R$ 1,9 trilhão da dívida pública federal. Haja poupança. A esperança está no Conselho de Política Monetária (COPOM), que vem abaixando os juros SELIC gradualmente.

Por falar em juros, só com a cobrança de tarifas nossos competentes banqueiros cobrem o custo de funcionamento de milhares de agências, pagam funcionários, compram cafezinho, e ainda lhes sobram de R$ 20 a R$ 30 bilhões para investir em títulos do governo. Os bancos brasileiros são os únicos do mundo que ganham dinheiro evitando emprestar dinheiro para o povo. E nós, correntistas, ainda temos que pagar caro pra movimentar a própria conta!

Poupança: patrimônio dos brasileiros. Mexer nas regras da caderneta pode ser politicamente arriscado, vocês viram o que aconteceu com Fernando Collor em 1990. São 92 milhões de contas e R$ 400 bilhões aplicados na poupança. Para continuar comprando títulos públicos, não perder os altos lucros e nem ter que cortar as tarifas absurdas, os bancos privados estão loucos para que o Governo Federal reduza as vantagens da poupança. Isso, porque a poupança não dá muito lucro para o sistema financeiro: 65% dos recursos depositados nas cadernetas destinam-se ao financiamento da casa própria. E financiar casa própria, principalmente para as classes C e D, não é um negócio atraente para a banca privada — tanto que a maior parte do dinheiro nem chega a ser emprestada, tamanhas são as dificuldades impostas pelos bancos. Lucrativo mesmo é continuar enfiando a faca nos cofres da viúva federal: o risco é baixo e o retorno é garantido.

Com a SELIC em queda, e na hipótese de os juros da poupança seguirem no mesmo caminho, em breve vai faltar otário pra pegar financiamento com juros estratosféricos. O empréstimo consignado chegou ao limite. Em 2011, nossos aposentados e outros endividados tomaram zilhões de reais em empréstimos das financeiras, pagando infinitas prestações com as facilidades do desconto em folha. Nossos velhinhos estão devendo até o cabelo do saco, pois os cabelos da cabeça, esses já foram pro saco há muito tempo. Como a usura não tem limite, ainda que o COPOM venha a fixar a SELIC a 1% ao ano, mesmo assim os bancos privados, com a desculpa do risco de calote, chuvas e furacões políticos, continuarão emprestando dinheiro para os otários a 10% ao mês, enquanto na outra ponta eles compram os títulos do Tesouro pagando 1% ao ano.

 

 

Você pode gostar...

3 Resultados

  1. Gato, eu creio que algum dos nossos antepassados devem ter sido torturados durante a Inquisicao ou em alguma guerra qualquer nas Oropa; seculos depois nasce vc. escrevendo contos absurdos, divertidos, invertidos, cheio de contorcionismos verbais e mudancas de direcao….. est jeito brilhante seu de escrever cronicas a la Brasil pode ser vestigio das chagas fisicas e emocionais que potencialmente algum antepassado influente (ou maldito) sofreu. O cara ficou doido, foi queimado na fogueira ou foi desembuchado. E voce? Voce escreve!
    Eh sempre um prazer ler as suas cronicas mano

  2. Daniel Mendes peixoto disse:

    Infelizmente, o gado (gente não pensante= maioria de nós brasileiros) ainda não conseguimos sair da mão do sistema financeiro………é tome pancada, quer seja, a via do caridoso empréstimo consignado, e/ou os juros, juros, juros aplicados pelo sistema financeiro……………para financiarrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrr políticos….

  3. Noga Sklar disse:

    Carlos, felizmente (ou infelizmente, pra vc e os da sua laia, rsrs) neste inverno a moda é calça de cintura alta, digo, na cintura mesmo. Mas depois de tantos anos, parece tão esquisito…

Deixe você também o seu comentário