Gente alternativa

Arthur Bispo do Rosário, esquizofrênico e artista
Arthur Bispo do Rosário, esquizofrênico e artista

As criaturas mais interessantes que você pode conhecer geralmente estão na cadeia ou no manicômio. O rabino furtou um pedaço de pano? Grandes merdas, que bobagem, ele não passa de um ser humano como qualquer outro. Muito pior era o professor pedófilo que dava aula na Escola Israelita, não me lembro qual, minha sobrinha era aluna dele. O danado fugiu para Israel e não foi preso.

O outro rabino, este ortodoxo — não como o Sobel, que parece um roqueiro tipo o filho do Suplicy —, se espancou todo, chamou a policia e disse que a sinagoga foi assaltada: roubara o dinheiro todo do cofre para uso próprio. A Madonna abandonou o Cabala Center em Nova York após o desfalque que deram lá dentro. Não importa a religião, são todos iguais no mundo ocidental, evangélicos, católicos e israelitas.

No oriente não sei se fazem merda, mas sei que os budistas adoram um McDonald’s ou um Burger King. Numa boa churrascaria aqui no Brasil, se deliciam. Os xintoístas são bem interessantes, quanto mais dinheiro doce doarem, melhor serão recebidos no céu, parece-me que vem um barqueiro buscar os mortos, não tenho certeza. O que eu gostei foi no Tibet, eles cortam a carne dos defuntos em pedaços e dão para os abutres gigantes comerem, isso que eu queria para mim, mas sei que vou ser enterrada num cemitério Israelita.

Não quero ser cremada, acho horrível. Sai uma fumaça preta lá de dentro, trituram os ossos que sobram, bah… E não gostaria muito daquelas orações para os mortos, são deprimentes. Queria que me enterrassem sem orações, mas vão ter que fazer uma missa de sétimo dia, isso eu faço questão, afinal de contas meus amigos são católicos. Queria, no entanto, ficar junto aos meus antepassados. Coisa de índio.

Caraca, saí completamente do assunto. Continuando… as pessoas normais em geral são muito chatas, ouvi-las no consultório dá um sono danado. Uma vez dormi mesmo, estava muito cansada e a moça há um ano só dizia a mesma coisa, adormeci e pronto. Quando ela se virou para trás e me viu dormindo, se aborreceu, e eu disse:

— Claro, não aguento mais ouvir quatro vezes por semana o mesmo blablablá, você não vira o disco.

Ela saiu batendo a porta, e ficou curada. Era filha de um dos diretores do Banco do Brasil, onde eu era credenciada e trabalhava como uma condenada.

Na prisão o trabalho é mais dinâmico: uma detenta tinha batido tanto, mas tanto, na nova esposa do marido, que ela quase morreu; a outra, uma judia ucraniana psicopata, clonou um cartão de credito, comprou um carro e saiu pelo Brasil afora; outra, pobre coitada, foi presa porque saiu do supermercado com umas bobagens a mais, um pacote de manteiga, acho eu. Talvez alguma coisa mais, não me recordo. A Cristina, uma moça magrinha e pequena, canceriana como eu, tinha até nascido no mesmo dia, 14 de julho, colocou uma arma na cabeça de um taxista e achou que ia sair incólume disso. É evidente que não, ele tirou a arma da mão dela e mandou prendê-la. Outra ainda voltava para a prisão toda hora porque vendia maconha na porta do supermercado, era até uma moça muito bonita. Havia duas negras que eram amantes, uma parecia a Grace Jones, linda de morrer, a outra era feia de doer. Também vendiam drogas. A feia era muito rafinée, só fumava o melhor cigarro da praça, o mais caro. Enfim, conheci muitas no presídio.

No manicômio Juliano Moreira, dava dó de ver a pobreza que era aquele lugar, dentro de uma mata tão bela. Eles ou se matavam, ou queriam matar alguém, um achava que o cozinheiro tinha posto veneno na comida, outro que sei lá o quê… Bispo do Rosário se apaixonou pela psicóloga, e criou a melhor obra que vi na Bienal de São Paulo. Copiou um catálogo de telefone, só o nome das pessoas, sem os números: Luci Barros, Luci Bloch, Luci Costa, e assim por diante. Só vendo para crer, fantástico o trabalho dele.

 

 

Noga Sklar

Editor, KBR Editora digital

2 comentários em “Gente alternativa

  • 06/02/2013 em 13:18
    Permalink

    Oi Rosane. Sabe, sempre achei o cemiterio, um desperdicio de terra e de combrustivel, e crematorio ainda maior o desperdicio e poluindo o ar. Por isso e outras coisas mais, em meu livro Atlants Atol de Formigas, descrevo meu modo de ver o comeco do homem, aqui na terra, bem mais tranquilo, e a forma limpa e proveitosa de terminar, sem dor e sem traumas. Sabe, meu sonho e’ conseguir enviar esse meu livro para algum cineasta bem corajoso que fizesse um filme de paz e amor, tranquilidade e inteligencia, sem violencia e desespero.

    Resposta
  • 05/02/2013 em 20:32
    Permalink

    É que confundimos “Normal” com “Quantidade” de indivíduos; se o número de caolhos fosse maior que os que têm duas vistas, então os segundo seriam seres “Anormais”. Na realidade a natureza prima pela mediocridade, para encontrar por exemplo, um cavalo de corrida de primeira linha, aproveitamos somente 1% ou um Mozart ou Da Vinci, quantos a cada 500 anos? Os Deuses foram “tacanhos” quando deram os dons para os homens! Não acredita? Então conte quantos “homo sapiens” ficam horas, dias e anos frente a TV! Sedados mentalmente , olhando programas no mínimo Idiotas! Sem conteúdo no mínimo medíocres!

    Resposta

Deixe você também o seu comentário