Fotografias

Há uns poucos meses resolvi fazer um curso de photoshop, para quem ainda não sabe, um recurso do computador para editar imagens. Fiquei encantada com o processo, pois apesar de se ver todos os dias esse artifício empregado para transformar pessoas normais — com rugas, gorduras e tudo o mais que é indesejado — em deuses e deusas da beleza, ele também recupera fotos antigas amareladas e manchadas, com pouca nitidez etc.

Adoro fotos antigas. Elas me remetem a um passado desconhecido, principalmente se são de familiares, ancestrais ou mesmo paisagens que já não existem mais. Pois bem, sempre que me perguntam o que eu gostaria de receber de algum parente que esteja se desvencilhando de coisas indesejadas, corro para as fotos.

Tenho em casa um álbum do bisavô de meu marido. Aprendi a escanear e processar as imagens no tal aplicativo. Aos poucos, objetos indecifráveis tomavam forma, revelando figuras interessantíssimas compondo arranjos de algum estúdio da época que estimo de mais de cem anos. Até uma foto revelada em prata tem, nesse famoso álbum. Pode-se recortar as imagens e trabalhar separadamente em camadas. O mais difícil é juntá-las depois.

Até descobri que a pessoa escondida numa sombra era eu mesma, depois de magicamente ordenar ao computador que ele clareasse o escuro. Quantas fotos não precisariam mais ser rasgadas para se eliminar algum malquisto que se imiscuiu nela… Amores que se acabaram e outros que começaram? Fácil: só recorte a cabeça do indesejado e a substitua pelo querido do momento. Odeia aquela blusa laranja que não combina com seu tom de pele? Tranquilo: é só circunscrever a danada e mandar trocar de cor. A criança rasgou metade do rosto da sua professora favorita? Moleza: copie a metade que está boa, mande fazer o efeito espelho e cole na metade faltante.

Fica meio esquisito, uma vez que ninguém é igual dos dois lados. Aliás, é um exercício interessante. Pegue uma foto de frente, divida no meio e duplique cada uma das partes. Você juraria que são pessoas diferentes, melhor, três figuras diferentes: a foto original e mais duas, uma da cada lado do rosto.

Sabe aquela onde a parede é de lambril, horrorosa, que não combina com nada? Também pode ser substituída por um fundo em dégradé ou craquelê ou… ah! deixa pra lá.

Depois de tudo isso, quando já estiver craque e tiver arranjado uma desculpa decente para aprender a usar o tal recurso, aí, sim, pegue o bastãozinho mágico e comece a milagrosamente tirar as rugas, pegue o recurso carimbo e copie uma parte sem mancha — se ainda conseguir achar alguma — e carimbe em cima da escura. Tem outro truque que puxa e estica, e os volumes abdominais de poses impensadas vão pro espaço.

Isso não quer dizer que você pode ficar sentado no sofá assistindo à sessão da tarde e comendo chocolate, pois a ilusão acaba no “ao vivo e a cores”.

 

 publicado também aqui

Noga Sklar

Editor, KBR Editora digital

6 comentários em “Fotografias

  • 05/06/2012 em 17:57
    Permalink

    Oi Pri!! Eu conheço a tecnica e relmente faz milagres…. Mais uma vez vc me surpreende com coisas que faz, ótimo ter vontade em aprender sempre, continue assim, parabens

    Resposta
  • 04/06/2012 em 03:20
    Permalink

    Priscila boa noite.

    Obrigado por lembrar e fiquei muito feliz em saber que gostou das nossas viagens no tempo..

    Parabéns pelo texto escrito e sempre que quiser vai ser um prazer poder te passar um pouco dos meu conhecimento.

    Bjos e Obrigado

    Resposta
  • 03/06/2012 em 08:36
    Permalink

    Ótima crônica!!!
    E parabéns por já estar manejando bem o Photoshop. Preciso criar vergonha e fazer o curso!
    Seria muito bom poder ficar no sofá comendo chocolate e depois diluir tudo no photoshop!!!
    beijo grande

    Resposta
  • 02/06/2012 em 23:28
    Permalink

    Oi Aldi.
    Prefiro nem ver almas photoshopadas. Isso somenta a nossa intuição revela.

    Resposta
  • 02/06/2012 em 19:38
    Permalink

    Ótima crônica ,alias voce já imaginou o dia em que o Computer conseguir revelar o inverso da alma das pessoas que utilizam Photoshop
    Vai ser muito divertido ver a transparência daqueles que usam retoques e disfarces do mais profundo âmago do Sêr
    Parabens Priscila

    Resposta
  • Pingback: Fotografias | Priscila Ferraz

Deixe você também o seu comentário