Eric Clapton, esse é o cara!

É aquela velha história, melhor se arrepender do que se fez do que daquilo que não se fez, não é mesmo? E se arrependimento matasse, eu estava mortinha da silva. Ele esteve no Brasil em 2001… sim, ele, Eric Clapton, o rei da guitarra, o mestre do blues, o autor de várias das músicas mais ouvidas e populares do mundo. Fez um super show no Rio, para milhares de pessoas, na praça da Apoteose. Não me esqueço disso nunca. Sabem por quê? Porque não fui.

Isso mesmo, não fui, perdi essa, perdi a chance de ver de perto, ou nem tão de perto, mas, enfim, mais de perto do que simplesmente não ver o meu grande ídolo. Eu poderia até arriscar, dizer que é o meu único ídolo, já que não sou muito dessas coisas. Mas dele, tenho realmente orgulho de ser fã. Esse é o cara! Um guerreiro, exemplo vivo de como um ser humano é capaz de se recuperar e se reerguer na vida: a começar por sua infância triste na Inglaterra, com uma mãe que ele achava que era sua irmã mais velha, os avós fazendo papel de pais; um trabalho de carteiro aos 13 anos; o mergulho de cabeça no buraco negro do mundo das drogas e do álcool, a morte de grandes e íntimos companheiros da música, a paixão platônica e sofrida pela mulher de seu melhor amigo, o guitarrista dos Beatles, George Harrison; e para finalizar sua vida catastrófica, a perda do filho de apenas quatro anos, Conor, que caiu da janela de um prédio em Nova York.

Eric Clapton e seu filho Conor

Foi em homenagem a ele que Eric compôs uma das músicas mais lindas que já escutei em todos os tempos, “Tears in Heaven”, devastadoramente triste, é verdade, mas ainda assim, linda por natureza. Bastam os primeiros acordes para meu corpo entrar em estado de arrepio permanente, isso, quando não choro. Parece que faz algum tempo que ele não canta essa música em um show, tamanho é o peso emocional que ela carrega.

Li sua autobiografia, ou melhor, devorei, em poucos dias. E fico imaginando como deve ter sido difícil descrever sua vida assim, com tanta honestidade. Doloroso, no mínimo! A história me encanta, me inspira, porque não sei como ele conseguiu superar seus problemas infinitos e terrivelmente difíceis… na verdade nem ele deve saber. Tudo bem que aos trancos e barrancos, mas conseguiu! Não morreu aos 27, apesar da heroína que o consumia por inteiro.

E agora Eric Clapton está de volta. Depois de dez anos, a lenda viva vem ao Brasil, em outubro, para uma nova turnê. Confesso que tive medo de nunca na vida ter outra oportunidade de vê-lo ao vivo e aqui no Brasil, afinal ele já deve estar cansado, né? Está beirando os setentinha! E não sei quando poderia me dar ao luxo de comparecer a algum show dele fora do país. Mas o universo conspirou a meu favor e agora nem de carro vou precisar para ver o rei. Vou a pé! O show no Rio, desta vez, acontece no HSBC Arena, ao lado da minha casa. Muito melhor, mil vezes melhor do que a Apoteose.

Quando disse ao meu marido quanto custaria ficar de cara para o cara, ele quase caiu para trás. Mas vejam bem a minha situação. Como posso economizar em algo que provavelmente será único e exclusivo na minha vida? Não dá, né, gente! Imaginem se ele resolve tocar “Tears in Heaven” e eu não estou lá para ver esse momento e cantar a plenos pulmões junto com o meu grande ídolo? Ainda tenho essa esperança, afinal de contas.

Não, não dá! Morro numa grana preta, mas a esperança é a última que morre.

E viva Eric Clapton!

 

10 comentários em “Eric Clapton, esse é o cara!

  • 01/08/2011 em 19:11
    Permalink

    Olá, Jú !!!
    Que vontade que deu de ler a biografia !!! Não sabia de algumas coisas, tipo a paixão platônica …
    Já não vou no show … aqui em bsb só sertanejo !!! Rsrs …
    Bj

    Resposta
    • 01/08/2011 em 19:16
      Permalink

      Le sim Fê! Vale muito a pena. Não dá pra largar o livro….

      bjs

      PS: vai no show do Zeze di Camargo e Luciano por mim rsrrsrsrsrsrsrs

      Resposta
  • 01/08/2011 em 17:55
    Permalink

    Vc vai AMAR. Ele é demais, eu assisti o show da Apoteose, foi incrível!

    Resposta
  • 01/08/2011 em 11:34
    Permalink

    Ahhh,que arrasoo!!Vai com tudo minha querida…sei bem o que é isso,um dos meus maiores ídolos teve no Brasil , na Apoteose e não pude ir,fiquei mal…Continuo dizendo, irei morrer e não verei Bon Jovi,buáá rsrsrs…Pois é, tem coisa que acontecem na vida de uma pessoa que só Deus tem a explicação, com certeza o grande Eric Clapton é um abençoado, porque Deus não nos dá nada que não possamos suportar…e olha aí,apesar de tudo o cara tá na ativa..Salve salve…Boa semana,Júlia…Super curti.

    Resposta
    • 01/08/2011 em 13:08
      Permalink

      Menina, gosto muito do Bon Jovi também. Mas olha ele vai voltar ao Brasil ahhahahahaha só pra vc ir no show viu!

      Boa semana para vc também!

      um bjao Nádia

      Resposta
  • 01/08/2011 em 11:22
    Permalink

    juju em poucas linhas você conseguiu transmitir toda a sua paixão por ele e ainda me deixou morrendo de vontade de ler a autobiografia e ir no show!!!. demaisss

    Resposta
    • 01/08/2011 em 13:10
      Permalink

      Le Má, vale muito muito a pena. O cara é um exemplo de vida!

      Ele vai tocar em SP, tenta comprar ingresso….

      bjsss

      Resposta
  • 01/08/2011 em 09:15
    Permalink

    Já comprou seu ingresso? Tá quase lotado, e já no espetáculo extra!!

    Resposta
    • 01/08/2011 em 10:43
      Permalink

      Clarooooo que sim! Impossível perder dessa vez. Vou no dia 10, no show extra!

      Resposta

Deixe você também o seu comentário