Desespero

Não! Não acorde! Você acabou de adormecer. Mantenha os olhos bem cerrados que o sono volta.

Não! Lá vem ela novamente. Sabia que não desistiria assim tão fácil. Enquanto não dilacerasse meu peito com suas garras, estraçalhasse em frangalhos todos os meus pensamentos, essa coisa, essa dor não iria me deixar.

Não! Pense rápido em qualquer coisa bela. Foram tantos momentos, tantos lugares, tantos amigos. Faça a mente transbordar com qualquer de suas viagens maravilhosas, qualquer paisagem deslumbrante das centenas que você já viu. Lembre-se de todas as companhias interessantes, todas as conversas, das gargalhadas, de qualquer refeição diferente e deliciosa das muitas que você já saboreou, acompanhadas de vinhos e bebidas exóticas. Rememore uma que seja das comemorações de seus aniversários, da infância, dos natais, de anos novos.

Festas de casamentos foram tantas… Formaturas? Dezenas. Ou até reuniões para almoço nos fins de semana com a família, pitorescas.  As brincadeiras com os cachorros. Tão leais, comprometidos com seu amor.

Não! Reaja! Lute! Rememore todas as alegrias da vida de estudante. Recorde os muitos sucessos na vida profissional. Tantas vitórias aqui e no exterior, quantos reconhecimentos… A beleza decantada por tantos, tantos amores, tantas certezas. Onde está tudo isso?

Você está quase sucumbindo, combata mais. Seja valente. Outra ideia. Que tal relembrar os treinamentos, as corridas em tantas cidades, praias deslumbrantes, campos de flores de todos os matizes? Quanta superação, machucados curados à custa de muita determinação e sofrimento, mas um sofrimento com objetivo.  Onde está essa pessoa? Cadê aquela força? O queixo erguido de orgulho? Pra onde foi?

É hoje somente este ser alquebrado, sem vontade, jogado de canto em canto desse quarto escuro onde você se encontra. Mentalize a luz, tantos dias de sol, o brilho da neve, o luar refletido nas milhares de ondas que você já viu e montou. A adrenalina do salto para um fundo longínquo. Você foi valente naquela hora. O pedido, a festa de casamento, seu amor tão presente, tão interessante, tão tudo o que você sempre desejou.

Por que tudo isso deixa você ainda mais triste? Que capacidade tem esse mal, de reverter todas as suas alegrias em frustração? O vislumbre de que tudo isso já foi? Nunca mais será? Tudo de melhor ficou no passado?

Não sucumba agora. Pense seu pensamento mais lindo e sonhe com ele. Será que a vida te trará uma felicidade que ainda não conheceu? Alguma alegria inimaginável? Motivos de sobra para se refazer, se recriar, se reinventar?

Acredite que  sim, pois caso contrario, só restará amargura, o desespero e o vazio, e como lidar com isso? Impossível. Você sabe muito bem aonde isso vai te levar: a escapadelas paliativas e químicas que ainda desconhece… Não, você sabe que não.

Durma com os anjos! Lembrou? Durma com os anjos! Alento. Modorra. Calor. Claro morno. Sim! É o sono que chega. Se entregue.

Fui.

 publicado também aqui

 

Noga Sklar

Editor, KBR Editora digital

4 comentários em “Desespero

  • 25/06/2012 em 21:49
    Permalink

    Gostei da base filosófica do tema;E tenho como slogan o seguinte pensamento :

    Tudo é valido e o que importa mesmo é a nossa capacidade interior de renovarmos “TUDO”.
    Bjs.e parabéns pelo artigo

    Resposta
  • Pingback: Desespero

  • 22/06/2012 em 14:51
    Permalink

    Quem diz que fomos feitos para fazer as coisas sem sentido que nos exigem…nesta armadilha social… acredito que o “doce não fazer nada” é a pedra filosofal da existência humana. A única responsabilidade de ser humano é com ele mesmo, com sua coerência existencial e nada mais!

    Resposta

Deixe você também o seu comentário