De mãe para filho

Filho, tenho que aceitar: você está crescendo. E não é devagar, não; muito pelo contrário, bem rapidinho. Eu diria até que um tanto rápido demais. Veja só, agora você repete tudo que falamos. E faz isso tão perfeitamente! Agora você já entende o que é “sim”, o que é “não”, ou melhor o “não” você faz plena questão de não entender. Já corre, brinca, canta, dança, vai para a escolinha. Meu Deus do céu, filho, como você está grande. Parece que nasceu ontem, mas já vai fazer dois anos. Quero te agradecer. Pela companhia, pelo amor, pela felicidade, pelas risadas, pelo aprendizado, pela vida que você me dá.

Sabe, filho, daqui a pouco você vai sair da fralda, sair do berço e, mais para frente, sair de baixo da minha asa. Mamãe ainda não está preparada para isso, preciso te dizer. Por isso, eu peço, vai com calma, meu anjo! Eu sei, eu sei, a independência é seu primeiro nome, já deu para reparar, mas isso não significa que você já pode fazer essas coisas, querer andar sem dar a mão na rua, ficar dentro da piscina sozinho e passear de carro sem cadeirinha. Fico me perguntando se essa é apenas uma fase — no caso, os terrible twos —, descrita pelos especialistas como a primeira adolescência, ou se esse seu espírito livre, aventureiro e rebelde vai durar uma vida. Por favor, hein! Já me basta o seu pai, que salta de paraquedas…

Bom, já que não tem jeito, você vai crescer cada vez mais, ou nem tanto (o pediatra já alertou), preciso te contar umas coisinhas. Uma delas é que a vida é dura em alguns momentos, meu filho. Você mesmo já sentiu isso na pele no dia em que levou uma dentada na escola, não foi? Outra, é que respeito e amizade são a base para qualquer relação saudável, seja com seres humanos ou com animais. Já o amor… ah, o amor move o mundo, das pessoas boas, é claro. Agarre-se nele para conseguir alcançar seus objetivos. Olha, o caráter e a palavra são indispensáveis, ouviu, filho? Um homem de verdade precisa ter essas qualidades fundamentais. Passar a perna no outro para se dar bem? Jamais, nem pensar: isso é coisa de gente sem escrúpulos. Se você quer vencer, faça isso com honestidade, ok? E não se esqueça nunca de que a fé move montanhas.

Para finalizar, escute bem o que cantou nosso querido Gonzaguinha, porque sem isso, nada faz sentido: viva e não tenha a vergonha de ser feliz…

Quanto a mim, meu amor, estou aqui para te apoiar e te lembrar de tudo isso, sempre que precisar!

 

Você pode gostar...

6 Resultados

  1. Julia Barroso disse:

    Ohhhh Sil, que texto lindo!!!! Muitas saudades de vc também.

    Obrigada pela boa notícia de que o pior ainda esta por vir ahahahhahahahhahaha! Me animou!!!

    Que bom que as duas princess estão ótimas e mais comportadas.

    bjssssssssss mil em vc

  2. Silvana disse:

    Oi Ju,
    Estou atrasada com as suas cronicas. rsss acabei de ler a da semana passada! Compartilho com vc todo esse sentimento de que estao crescendo rapido demais. Tenho algo para te dizer (como mae de gemeas que ja passou pelos “terrible twos”):
    – fica pior nos 3 anos! rssss Eles pensam que podem tudo porque ja cresceram, nao usam fralda, etc. Parece que enfrentam uma crise interna, por se sentirem capazes de fazerem muito mais do que se e permitido. Alem de nao entenderem ainda muito bem o conceito de “causa x consequencia”…
    Paciencia, amor e disciplina e tudo o que eles precisam, mas sei o quanto e dificil… as vezes achava que estava perdendo as forcas e o cansaco me ia vencer, mas mae e mae e sempre ha uma forca escondida aqui dentro que nos faz enxergar o lado bom ate nas crises! rsss
    Estamos no inicio dos 4 aninhos e minhas princesas estao uns docinhos!! Nem acredito que a fase das crises passou assim, de uma hora para outra! Me obedecem mais, dizem que me amam e que sao felizes o tempo inteiro! Isso nao tem preco.
    Ja te disse isso e repito: tenho muito orgulho de voce. Voce e uma amiga linda, uma profissional incrivel e uma mae maravilhosa. Sinto muitas saudades…
    Um beijinho

  3. priscila ferraz disse:

    Julia.
    Eu já passei por isso, já estou lidando com o mesmo problema, só que com meu netinho. É duro, mas a gente aguenta.

  4. Julia Barroso disse:

    Oi Cacá….muito obrigada!

    Pois é, eles crescem né? E como é rápido!!!!!!

    Sorte com os aborrescentes rsrsrrsrsrsrs

    bjs

  5. Julia,
    te entendo perfeitamente… eu sinto isso também… meu bebê cresceu!
    só que ele está numa fase beeeem complicada… aborrescentes…
    adorei seu texto! Lindo! Sensível!
    beijos com carinho!
    Cacá

Deixe você também o seu comentário