Comentários

Photovoltaik
“Solar flower”, símbolo da energia solar

por Maria Anna Machado

 

Às vezes só comentar é pouco, por isso esta minha crônica é um comentário ao artigo do Manuel Funes.

Andando pela areia na Flagler Beach, Florida, me deparo com uma máquina estranha:

— O que é isso ??? — andei à volta, curiosa…

Era nada mais nada menos que uma lixeira que, com um painel solar, recicla e comprime automaticamente o lixo. Fiquei ali, examinando e observando a lixeira, com um misto de espanto e satisfação.

Enquanto alguns “homens” enganam, matam, ficam ricos à custa da desgraça alheia, sofrem física e mentalmente em seitas e por ânsia de poder, outros, com certeza procuram trabalhar para construir um futuro melhor para a humanidade. Sei que por trás ainda existe o interesse, mas o homem que inventou e fez a máquina provavelmente não vai ficar rico, e é desses que falo…

Pessoas que acreditam no ser humano, que não desanimam diante de tantas loucuras à vista. Elas se entregam ao trabalho, e não ficam em busca de explicação para o que somos ou o que seremos. A inteligência que vive buscando aperfeiçoar nossa vida, com certeza encontrará resposta ao seu esforço. Não importa o quanto “UM” homem vive: a continuação da espécie é, sem dúvida, um legado que não será destruído por mesquinharias.

O homem, para mim, é um ser privilegiado, que terá com certeza um futuro digno e que, por motivos adversos, luta para sobreviver, poder voltar ao começo e chegar ao fim de sua jornada. Esta, com certeza, terá homens de inteligência apurada que não viverão em busca de riquezas e aperfeiçoarão o que lhes foi legado e ainda está encoberto por sofrimentos passados.

Tenho dentro de mim essa certeza de que, em suas mentes límpidas, terão a inspiração e iluminação própria de seres inteligentes, que encontrarão a forma deste ser frágil que morre, isto é certo, mas luta pela vida com a obstinação das Ginas perseguidas pela miséria humana.

 

Maria Anna Machado é pintora por nascimento e escritora por adoção. Suas pinturas são sua alma, seus escritos seu coração. Completou oitenta anos e se voltasse a nascer não mudaria um minuto sequer, pois todos foram vividos com intensidade, serenidade e amor. Pela KBR, publicou Atlants — atol das formigas e O Rei das Orquídeas.

 

Noga Sklar

Editor, KBR Editora digital

5 comentários em “Comentários

    • 14/03/2013 em 20:16
      Permalink

      Sabe que com meus 58 anos, meus dentes são perfeitos. Talvez uma ou duas caries (tratadas), nunca precisei de dopping mental para dormir, aceito a realidade como ela é… É fato que de aqui a pouco na minha idade a chance de pegar um câncer ou um Parkinson é alta, de alguma coisa tenho que morrer! rs rs rs

      Resposta
    • 14/03/2013 em 20:23
      Permalink

      Creio que estes versos… falam melhor alguns conceitos… atuais sobre o que esta acontecendo …

      Existe um momento
      que sentas na sarjeta
      Contemplas o mundo
      E sentes desejo de ir embora

      Não tem onde fugir, todas as saídas estão fechadas
      Altos muros, tijolos de corrupção
      Amalgamados com lagrimas inocentes
      Por Deuses que a noite se transfiguram em demônios

      Aos poucos as ilusões
      Os sonhos da virtude
      Te abandonam, deixando-te sozinho
      Com a boca amarga, fel da traição

      Olhas os homens
      que como zumbis
      caminham solitários
      almas secas, papoulas murchas

      Pelas ruas desertas
      as solas gastas dos sapatos
      pisam sobre asas de anjos
      desertores celestiais

      Eles, como nós, perderam a fé
      Numa esquina qualquer
      Um Deus ébrio
      Te pergunta pelos arcanjos

      Olhas nos seus olhos
      e sentes pena
      Ele ainda não sabe, que todos morreram
      de vergonha!
      [Manuel Funes]

      Resposta
  • 12/03/2013 em 20:16
    Permalink

    A última desilusão da humanidade é a própria “Ciência”. Que nasceu como um arauto de futuros utópicos… Vou falar sobre isto na próxima segunda feira. Talvez pareça esquisito, porém o trabalho como nos o conhecemos hoje, é antinatural e criado com obscuras finalidades. Os cientistas foram corrompidos… nos nossos dias focam suas pesquisas por sendas perigosas…

    Resposta

Deixe você também o seu comentário