Best-seller tupiniquim

Hoje vou falar um pouco sobre um a reportagem publicada na revista Veja na semana de 29 de fevereiro: “Um país de leitores – E autores”.

Acho muito importante falar sobre isso, porque, afinal, todos nós que escrevemos neste blog somos parte de uma editora, a KBR, e somos todos escritores, cheios de sonhos de tornar nossa escrita conhecida, de chegar mais e mais aos leitores.

A reportagem começa afirmando que o livro brasileiro está mais barato e os consumidores estão comprando mais exemplares. Além do livro estar mais barato, também os escritores brasileiros estão provando serem capazes de conquistar o público. Estão descendo da redoma da alta intelectualidade e estão escrevendo literatura de consumo, o tão malfado “entretenimento”!

Claro que entre eles está o policial, gênero que escrevo. Além de termos uma nova classe média que quer se aprimorar, e vai pegando o gosto pela leitura, temos autores falando diretamente para o seu público. Nós, autores nacionais, começamos a fazer sucesso. Maravilha! Começamos a ser comparados a autores estrangeiros. Segundo a reportagem, os escritores brasileiros ainda disputam espaço na ficção com os estrangeiros, mas lideram em todas as outras áreas. Na área de autoajuda, por exemplo, os brasileiros estão disparados na frente. Na espiritualidade, idem. Padre Marcelo que o diga! 7.5 milhões de exemplares de Ágape vendidos! Estamos nas biografias e na história do Brasil.

Enfim! O sonho vai se realizando. O escritor brasileiro vai ganhando espaço. Escrever já não é uma ocupação de intelectuais, mas uma profissão! Já tem muita gente vivendo da literatura.

Na literatura de entretenimento, a reportagem menciona Jô Soares, um apresentador conhecido; poderíamos dizer que seu sucesso se deve ao marketing próprio. Li Xangô de Baker Street e gostei muito, mas existem autores relativamente novos fazendo muito sucesso: André Vianco já criava vampiros muito antes de a Saga Crepúsculo chegar ao Brasil; Eduardo Spohr escreve livros de fantasia e aventura, tratando as lutas entre o bem e o mal. Jô já ultrapassou um milhão de exemplares vendidos, André Vianco está chegando ao milhão e Eduardo Spohr está chegando ao meio milhão.

Nelson Mota, que também se aventurou na área do policial, está fazendo muito sucesso nas biografias. Um amigo meu, Elias Award, que apresenta na Rádio Eldorado o programa “Biografias”, faz sucesso escrevendo… biografias. Na área de espiritualidade, Zíbia Gasparetto é imbatível! Dezesseis milhões de livros vendidos! Seus livros são romances, histórias de amor e dramas familiares com desfechos espirituais. Segundo ela, são todos ditados por espíritos de luz. Há uma xará minha que escreveu Violetas na Janela, também psicografado por espíritos de luz, que vendeu muito e continua vendendo.

Thalita Rebouças, falando de escola, amizade, relação com os pais e sexo para os jovens brasileiros, já ultrapassou o milhão de vendas e realizou a meta de viver da literatura. Na História, Laurentino Gomes lidera com o 1808 e 1822, com Leandro Narloch chegando bem próximo. Roberto Shinyashiki e Augusto Cury vendem milhares de livros com chavões motivacionais e Ana Beatriz Barbosa Silva superou o milhão com Mentes Perigosas e Inquietas.

Sei que há muitos outros escritores que ainda não atingiram números tão expressivos, mas que estão se destacando. Ver estes números é animador para todos nós, escritores. Num país onde o presidente mais popular da história afirmou publicamente que ler lhe causava azia, ver toda a população cada vez mais se interessar por livros é fantástico!

Esta conquista se deve ao florescer de uma nova leva de autores de best-sellers que, com mensagens simples e história ágeis, conseguem levar cultura, diversão e conhecimento a um número cada vez maior de brasileiros.
A hora é agora! O mercado de livros está aquecido! Todos nós, companheiros de ofício e de editora, temos chance. Na lista apresentada pela Veja, faltou justamente o gênero policial! E Alyrio Cobra está aí para suprir esta falta: Peças Fragilizadas já está no mercado. Espero conseguir um número significativo de vendas.

Difícil saber qual a chave do sucesso. A constante de todos os autores mencionados é o trabalho e a perseverança.

Boa sorte para todos nós!

 

Nota da editora: na data de publicação desta crônica Peças Fragilizadas está em 9º lugar na lista de ebooks mais vendidos da Livraria Cultura.

 

 

3 comentários em “Best-seller tupiniquim

  • 10/01/2013 em 12:18
    Permalink

    Leitores de plantão.

    Pela manhã, sinto-me um Camões, pegando a naus e saindo de Portugal para uma longa aventura pelos continentes e registrando em poesia a minha dor de dente.
    À tarde, sou apenas nuvens envolvido pelas correntezas dos ventos sem ligar para os tormentos de ciclones naturais, que são sinônimos de vendavais.
    À noite, sou estrela a procurar o que não posso encontrar e nem dispor do que tenho a propor.
    Contudo, pareço-me aluado, toda vez que escrevo no infinitivo entre os verbos e os pontos finais que se encontram nas livrarias e nas bancas de jornais. Nesse instante, enfatizo as histórias que fiz do Atlântico ao Japão para transformar a vida em prosas consumidas por leitores de plantão.

    Décio Machado.

    Resposta
  • 07/03/2012 em 00:32
    Permalink

    TAMBÉM SOU ESCRITOR, PUBLIQUEI 4 LIVROS COM TIRAGEM DE 1000 EXEMPLARES CADA E TODOS ESGOTARAM. SÓ DIVULGUEI NO MUNICÍPIO ( SÃO GONÇALO). MINHAS OBRAS ESTÃO ABERTAS NO SITE (DECIO MACHADO.COM).
    .
    PERGUNTO SE É VALIDO ABRIR O LIVRO INTEGRALMENTE NA INTERNETE PARA SER OBSERVADO POR UMA GRANDE EDITORA E DISTRIBUIDORA?

    RELAÇÃO DE LIVROS PUBLICADOS: ZÉ MALLETA, PERIPÉCIAS DE UM INFANTILISTA
    ADAFLOR, A MENINA ALADA
    PASSARINHO PASSARÁ
    O REVISOR

    Resposta

Deixe você também o seu comentário