Bento foi embora

papa-bento-twitterBento 16 renunciou!

Segundo ele, além de sua idade e saúde (de acordo com a reportagem da Folha de São Paulo, do enviado especial Clóvis Rossi) faltam-lhe forças para “o mundo de hoje, sujeito a mudanças rápidas e agitado por questões de grande relevância para a vida da fé”.

A notícia me deixou intrigado. Não consigo palavra melhor que descreva meu assombro. Não sabia que o Papa podia renunciar!

Apesar de ter sido batizado e seguido a religião católica na infância e adolescência, não é essa a fé que professo. Mas permaneço cristão. Adoro os santos, e respeito todas as religiões. Respeito principalmente os amigos ateus, e os que se dizem agnósticos.

Como minha fé não é tranquila, convivo com ela e seu tremor, como a luz que advém do pavio da vela que um homem segura diante da sua vida. Sei que a fé ilumina os crentes, mas a que me acompanha mal ilumina o meu caminho, atormentado pela minha fragilidade humana.

Sei que quando falo de religião ou do papa, parece um assunto distante de nossa realidade. Ledo engano! O Brasil é considerado o maior país católico do mundo, e aqueles que se dizem católicos (apesar de alguns não praticantes) passam de 100 milhões de pessoas. Há muito mais em jogo do que apenas a renúncia de um homem a um cargo que ocupa.

Bento 16, o teólogo alemão Joseph Ratzinger, é o líder religioso de uma grande nação. Sua renúncia e afastamento de suas funções nos traz reflexões. O papa, mesmo num mundo dividido por falta ou excesso de fé, tem um papel importante. Para os milhões de católicos é seu líder religioso maior, é aquele que guia as ovelhas de seu rebanho através da fé que professa.

O mundo realmente muda rápido. Lembro-me, quando criança, a paz e a alegria que me vinha ao coração quando, ajoelhado junto ao confessionário, recebia do padre Maquintária o perdão pelos meus pecados.

Hoje, convivendo com eles, sem poder ter a paz de uma confissão infantil, confesso que por vezes me vem uma grande sensação de desamparo. Continuo fazendo minhas orações e tento, através da minha fé e da razão, algum conforto ou entendimento para os meus problemas existenciais.

Mas ao ver um papa partir, sinto certo desalento. Quando isso ocorria no passado, o motivo era sua morte. Agora, fora as dificuldades e dilemas que ele mesmo expressa, não tenho competência nem atenção para decifrar tal enigma.

Nesta hora me dá vontade de dar a mão à minha mãe, e depois de ter tomado o café e comido o meu pão com manteiga, ir com ela em direção ao som dos sinos da igreja que anunciavam a missa de domingo.

Independente de papas e reis, amanhã será um novo dia!

Com ele, dúvidas e certezas, fé ou incredulidade, guerra e paz ainda ocorrerão em partes do mundo. Riqueza e pobreza também haverá por recantos diversos. Alguns homens morrerão, outros não. Crianças recém-nascidas serão recebidas com alegria. Algumas terão o que comer, outras muito pouco.

O que sabemos?

Talvez ,o que nos tenha ensinado William Shakespeare: “Há mais mistérios entre o céu e a terra, do que sonha a nossa vã filosofia.”

 

 

9 comentários em “Bento foi embora

  • 21/02/2013 em 08:28
    Permalink

    A Biblia é uma obra de ficção e tudo que se relaciona a ela é ficção. Se o Papa tivesse uma fé inabalavel ele jamais renunciaria, deveria esstar ansioso para morrer e encontrar o seu Deus, estava no caminho do céu. Ele reforçou tudo que penso sobre religião. É mais ateu que eu, com um agravante, é hipocrita.

    Resposta
  • 20/02/2013 em 23:59
    Permalink

    Manuel
    Me permita a licença poética!
    Grande abraço!

    Resposta
  • 20/02/2013 em 19:39
    Permalink

    Bem as coisas não foram assim.

    #1 O que acontece no Vaticano, inclusive com o ex-papa não caso de “Fé” e sim de “POLICIA”. (Banco Vaticano limpando dinheiro de Mafia, Pederastia institucionalizada, Facções em luta a morte…)

    #2 Bento não “foi embora” foi “DESTERRADO”

    #3 Teologicamente e historicamente falando não existe na Bíblia nada que justifique fazer de a “Mulher Maria” um novo “Deus”. É mais temos passagens diversas onde se diz que somente devemos adorar um único Deus. Bem isto é um comentário “técnico”. Isto tive sua origem com “papas” posteriores que “definiram” estas e outras digamos “falacias”.

    Resposta
  • 20/02/2013 em 14:35
    Permalink

    Parabens Gustavo pela otima cronica. Sorte daqueles que ainda tem as maos de uma mae. Vc eh abençoado.

    Resposta
  • 20/02/2013 em 12:38
    Permalink

    Prezado Oclydes,agradeço suas palavras.
    As mãos de uma mãe, transmitem segurança a uma criança diante da vida.
    Att,
    Gustavo

    Resposta
  • 20/02/2013 em 09:37
    Permalink

    Prezado, compartilho o seu assombro, realmente é estranho… muito boa sua matéria e mais concordo, pedir a mão da mãe, dá um grande força. E a pergunta é forte ” O que sabemos??? Parabéns e muito sucesso.
    att Oclydes

    Resposta
  • 20/02/2013 em 09:27
    Permalink

    Olá Gustavo,
    Ótima sua crônica. Como você também nasci e fui criada na religião católica e sempre me senti ótima depois de uma confissão. Continuo gostando de alguns santos e me sentindo atraída pelo toque dos sinos.
    No entanto, não é por escrever livros policiais e ter sempre em mente grandes conspirações, mas acho que esta renúncia não tem uma explicação lógica.
    Ao saber da renúncia, a primeira coisa que me veio a mente foi que ele ou renunciava ou tomava aquele chazinho que uma inocente freirinha levou para João Paulo I.
    Como você mencionou: “Há mais mistérios entre o céu e a terra, do que sonha a nossa vã filosofia.”
    beijo grande

    Resposta
    • 20/02/2013 em 12:35
      Permalink

      Obrigado Vera
      Acho que todos nós que escrevemos buscamos a inspiração ,os sonhos e a esperança.
      A Igreja católica sempre esteve envolta em grandes mistérios,este é mais um destes.
      Grande sugestão para enviarmos nosso enviado especial a Roma ,o grande Alírio a Roma para decifrá-lo para nós!
      Beijo Grande

      Resposta

Deixe você também o seu comentário