Amanhã

Só capa Aprendi, ao longo da vida, que não se deve deixar para amanhã o que é possível fazer hoje. Mas hoje, neste específico hoje, 7 de março de 2013, estou completamente voltada para amanhã. Todos os pensamentos, todos os desejos, todas as desatitudes.

É verdade, sinto-me animadíssima e sem vontade de fazer outras coisas. Algo como um desejo de arrancar o dia da folhinha e ver os ponteiros do relógio alcançarem logo a meia-noite. Tudo para chegar mais depressa ao dia 8. Amanhã é sexta-feira, é o Dia Internacional da Mulher, é o lançamento do meu novo livro. Mal posso esperar.

E posso lhes garantir que esperar não constitui uma das minhas grandes dificuldades. Porém, ai, porém, este é um caso diferente. Tenho uma sensação de arrebatamento, um quase êxtase por conta da gama vasta de possibilidades que surge no horizonte próximo. Pode não dar em nada, pode dar em best-seller, pode dar em filme.

Imaginar esse leque de realidades possíveis me arrasta desde os porões mal iluminados da ansiedade até as luzes de uma virtual ribalta. O que me lembra música, me lembra cinema. Especialmente aquele filme no qual a Julia Roberts interpreta a fada Sininho e tenta falar ao Peter Pan do seu amor. Para isso ela cresce, cresce, arrebenta sua casinha de fada e assume o tamanho mulher. É assim que me sinto: em franca expansão!

Vai demorar ainda um tempo até sabermos se meu novo rebento é bom. E um livro, para ser bom, precisa de público. Eu conto histórias. E elas só se realizam quando são lidas. Quanto mais leitores, mais vida para elas. Ufa! Dá um medinho. Parecido com aquela dose de adrenalina a se derramar por meu corpo quando o avião acelera vertiginosamente para decolar. Caros leitores, estou prestes a sair do chão.

Entretanto, o cotidiano me chama de volta à terra a toda hora. Preciso tocar o resto da vida e espantar quaisquer sobressaltos. Vou à luta, olhando para Além das Cortinas com confiança, sem medo de escuros, relâmpagos, borrascas. E não posso evitar uma canção linda e antiga, que me acompanha, soando baixinho no fundo da mente, enquanto escrevo este texto. Uma canção do Guilherme Arantes, que diz assim: “Amanhã, a luminosidade, alheia a qualquer vontade, há de imperar. Amanhã!”

 

 

Rosimêre Fonseca de Moura

Rosimêre Fonseca de Moura é carioca da gema. Nasceu na Boca do Mato e foi direto para a fronteira entre o Rio Comprido e o Estácio (holy Estácio). Muitos rios passaram em sua vida, incluindo aquele desfile memorável da Portela; geraram uma cálida preferência pela combinação entre azul e branco e uma tórrida paixão por sua cidade natal. Quis ser sambista, sonhou ser astronauta. Formou-se professora de Português e Literaturas de Língua Portuguesa, publicou dois livros e centenas de crônicas e contos em veículos de circulação restrita. Assina, também, o blog Textos Curtos (http://textcurt.blogspot.com). Seu livro de contos, Além das cortinas, foi publicado pela KBR no dia 8 de março de 2013, Dia da Mulher, e estreou com destaque na Amazon .

11 comentários em “Amanhã

  • 13/03/2013 em 23:32
    Permalink

    Obrigada, Gustavo.

    Resposta
  • 08/03/2013 em 17:24
    Permalink

    Rosi,desejo sucesso a voce.
    Gostei de sua crônica!
    Abrs.
    Gustavo

    Resposta
  • 08/03/2013 em 00:45
    Permalink

    Rosi , Hoje ,estou voltada somente para o sucesso do lancamento do seu novo livro de contos ,ALEM DAS CORTINAS . Hoje, a luminosidade, alheia a qualquer vontade, ha de imperar . HOJE .

    Resposta
    • 13/03/2013 em 23:32
      Permalink

      Obrigada, Telma. Desculpe a demora na resposta. Estou ocupadíssima com meu filhote literário.

      Resposta
  • 07/03/2013 em 15:43
    Permalink

    Oi…ja escrevi e apaguei uma porcao de vezes…hoje mando…sua foto me diz algo, nao sei que, parece que te conheco a muito tempo. talvez alguem conhecido, mas e’ demais, seus olhos parecem me dizer que tambem me conhece….parabens e tomara que seu livro decole com toda adrenalina que merece….com certeza e’ de outras camadas de vida que te conheco…

    Resposta
  • 07/03/2013 em 15:37
    Permalink

    Amiga, “a luminosidade há de brilhar”…. !!!! Sei que você sabe esperar e, sei também como deve estar sendo difícil essa espera, mas há de brilhar!!!! Acredite!!!!

    Resposta

Deixe você também o seu comentário