Alegria de viver

oldcoupleMeu sogro, que acabou de completar noventa e um anos, veio nos fazer uma visita ontem e minhas cachorras labradoras, muito esfuziantes e estabanadas, começaram a festejá-lo. Ele se esquivava como podia para não ser derrubado por um golpe de rabo fatal.

Hoje ele está viúvo, mas sempre acompanhado de fiéis empregados, que o mimam como ele merece. Aos domingos, toda a família se reúne ao redor de sua mesa para um almoço e ele parece muito feliz no meio daquele alarido, que só mesmo as grandes famílias conseguem produzir. Mesmo assim, vendo como estava contente com as cachorrinhas, perguntei se não gostaria de ter um filhote para companhia. Ele me respondeu que apesar de gostar muito desses animais, não queria, pois eles duram muito pouco e quando morrem deixam muita tristeza.

Fiquei caraminholando e fazendo contas. Ora, um cachorro grande dura em média uns dez anos, sendo que alguns pequenos vivem muito mais. Se ele tem noventa e um e ganhasse um filhote agora, teria sua companhia até pelo menos cento e um anos. E está preocupado em ficar triste com sua morte.

É interessante como ele, que está lépido, fagueiro e raciocinando ainda muito bem, nem cogitou que poderia anteceder o mascote em muito. Acredito que aí mora o segredo de sua longevidade. Nada o detém. Viagens intermináveis de avião não são nada para ele, parece estar sempre mais bem disposto do que os filhos e netos na chegada. Ele adora estar em movimento. Seu verbo é ir.

Coincidentemente, à tarde, participei de um chá em homenagem à mulher. Lá estavam mulheres maravilhosas, em sua esmagadora maioria já bem entradas em anos. Uma delas aproveitou para comemorar o seu nonagésimo quarto aniversário durante o evento. Discursou, cantou e dançou com uns rapazes contratados, personal dancers, aproveitando muito a tarde. Recebeu o carinho de todos que ali estavam e sorria todo o tempo, apreciando a dança dos outros.

Senti até uma pontinha de inveja e desdém em outra amiga, que só tem noventa e um e se sentiu passada pra trás, já que é sempre lembrada em nosso grupo de voluntárias como exemplo entre as mais velhas, sendo que por incrível que pareça é das mais ativas, de dar inveja realmente às muito mais novas do que ela.

Quero ainda falar de uma terceira, que é uma simpatia e sempre tem uma palavra gentil com todos, daí é amada por amigos e família. Eu a encontrei ontem também, na saída de seu jogo de tênis, pois todos os dias pratica algum esporte, seja caminhada, tênis ou musculação. Essa deve estar na casa dos oitenta e cinco.

Procuro me mirar nesses exemplos e acredito que hoje já estou muito mais paciente e tolerante graças a elas. Eu nem queria, para não cair hoje no lugar comum, mas serei obrigada a parabenizar essas mulheres maravilhosas, seres cheios de luz com amores infinitos para dedicar.

Parabéns aos homens também, por nos tolerarem em nossos piores dias.

 postado também aqui

 

Você pode gostar...

3 Resultados

  1. isabel teresa neuwald disse:

    Querida Priscila!!! Como sempre vc nos presenteia c palavras e assuntos que até passam despercebidos por nós no dia a dia corrido. Realmente temos obrigação de nos espelharmos nessas pessoas com mais caminho que o nosso, e temos exemplos de sobra para isso. Parabéns a todos que apesar da idade tem ainda sonhos a serem realizados e alegria de sobra para espalhar por onde passam.

  2. Longa vida ao seu sogro. Parabéns.

  1. 08/03/2013

    […]   postado também aqui […]

Deixe você também o seu comentário