A viagem dos sonhos

Bom, gente, vou começar dizendo que, para mim, a viagem dos sonhos é aquela que não precisa pegar avião. Isso é fato. Desde o momento em que combino de viajar, sofro todo santo o dia até a data do embarque, pensando que serei obrigada a ficar presa dentro daquela invenção esquisita (necessária é verdade, mas ainda assim esquisita), em formato de pássaro, cheia de combustível. E dependendo do destino, presa por muitas horas.

Pois é, eu tenho medo de avião. Na verdade, tenho muito medo de avião. A sorte é que o que me resta de equilíbrio basta para que eu não dê vexames em pleno vôo e nem saia correndo do balcão do check-in. Mas as mãos pingarem de suor a cada tremidinha, na hora do pouso e da decolagem… ah, isso é básico!

Outro dia a minha tia disse uma coisa com a qual me identifiquei na hora: “Queria ir, mas não voando”. Não há frase mais sábia do que esta.

Uma das minhas viagens dos sonhos foi de trem. Atravessar o canal da mancha, fazer o trecho Londres-Paris sem precisar passar por aeroportos e me trancar dentro de uma aeronave, que sabe-se lá Deus o que pode acontecer, é maravilhoso. Uma calmaria só. Peguei meu livro, Travessuras da menina má do escritor peruano Mario Vargas Llosa, excelente por sinal, e li sem parar, sem medo, sem que nada me dispersasse, a não ser meu marido me chamando às vezes para olhar a paisagem.

Em contra partida, a viagem pesadelo foi quando fomos de Buenos Aires para Bariloche. Foram 15 horas no Aeroparque esperando o nosso voo sair e nada. Quando saiu, eu tinha certeza de que aquele avião velho ia cair. Fui tomando leite por todo o caminho para tentar me acalmar e para piorar, como já era de madrugada, nada se via pela janelinha, só mesmo a névoa. Depois de uma aterrissagem meio conturbada, com direito a chuva forte e um piloto kamikaze, para minha surpresa, chegamos enfim sãos e salvos para esquiar.

Eu sei muito bem o que dizem as estatísticas. Que é mais provável sofrer um acidente de carro indo até o aeroporto do que no avião; que é mais provável ser atropelado no dia a dia; que o transporte aéreo é o mais seguro do mundo. Mas quando eu leio que a maioria dos acidentes acontecem por erro humano, em cerca de 67,57% dos casos, minha teoria se confirma. Como eu posso confiar minha vida a uma, duas, três pessoas (os pilotos), de quem eu nunca nem vi a cara? E se eles resolveram passar num barzinho antes do voo, e se eles têm um surto, e se não conferem direito o combustível, e se erram o cálculo, e se não vêm o perigo iminente? E aí?

É por essas e outras que entro no avião já querendo sair. E posso garantir que se um dia o projeto do trem-bala sair do papel, minha ponte Rio-SP será muito mais feliz.

Tenho paixão por viajar. Inclusive já estou planejando a próxima! O problema é que, eu quero ir, mas não voando.

 

Você pode gostar...

6 Resultados

  1. Juuu, amei…aliás amo todas!!!! Não sabia que vc tinha medo…tadinha!!!!

    Bom, eu morria de medo quando era pequena e olha que eu viajava muito para acompanhar meus pais…..eu ia dopada, pois caso contrário ia vomitando do início ao final do vôo…quando fui para Paris cheguei a ficar desidratada!! Graças a deus hj passou…claro que prefiro ficar em solo firme e forte, mas….o trabalho me faz viajar bastante e não dá para me dar algum luxo de não viajar!! Inclusive nessa sexta, São paulo lá vamos nós….e no final de setembro…paris, Amsterdan e Itália….mas acho que para esses destinos vou estar tão feliz que vou querer ir pilotando…confiaria em mim??? hahahahahahahahhaa

    LOVE U! beijosssssssssss

    • Julia Barroso disse:

      Oi VÊ!!!!!

      Para resolver este nosso problema temos que morar na Europa, lá podemos viajar TUDO de trem!!!!!

      BOA VIAGEM em setembro… toma um dormonid e VAI! rsrsrsrrsrs

      bjsss

  2. Silvana disse:

    Ju, tambem tenho medo, mas no meu caso, nao tem jeito! Brasileira, casada com Argentino e morando nos EUA! Nao existe trem bala que resolva!

    O que mais me doi e que a Sofia, desde bebezinha, odeia aviao! Ela chora o tempo inteiro quando o aviao esta decolando ou aterrizando. Grita deseperadamente: eu quero sair daquiiiiii!!!!!! E acaba dormindo de tanto chorar. E eu? Choro junto ne? Nao da para ver minha filhinha sofrendo desse jeito sem chorar…

    Mas o sacrificio vale pelo tempo que passamos juntos com a familia e com os amigos… ate que temos que voltar e enfrentar tudo novamente. E pior, com aquela saudade no peito.

    Um beijo e boa semana minha linda.

    • Julia Barroso disse:

      Sil, não sabia que a Sofia ficava assim! Imagino que desespero seu…

      Mas é isso aí, o avião é mesmo um mal necessário nas nossas vidas. Não há outra forma de viajar na maioria dos casos….

      bjs e boa semana para vc também

  3. Gustavo disse:

    Julia

    Adorei o texto!Engraçado de uns tempos para cá,tenho andado meio cismado com avião.Eu sou do tempo que avião não caía agora virou moda.Enfim vamos em frente de preferência de trem.Abs.

Deixe você também o seu comentário